Feeds:
Posts
Comentários

Hoje, 07 de setembro, em meio às celebrações e desfiles militares na Esplanada dos Ministérios, estaremos com uma agenda ampla e variada em muitos espaços da cidade, como é possível conferir no Catálogo-Programa distribuído, que inclui espetáculos de teatro com o Cena Contemporânea, sessões de poesia e música  na 27ª Feira do Livro  e em cidades satélites , exposições de poesia e instalações na Biblioteca Nacional, no Museu Nacional e na Biblioteca Central da UnB , Mostra de Cinema Poesia no Cine Brasília, Poemação de Cordel e Rap e leitura no BiblioSESC estacionado no Conjunto Cultural da República  e,  culminando, congraçamento e performances em bares e cafés-concerto da cidade. Vale a pena conferir  em www.bienaldepoesia.unb.br

Anúncios
Auditório do Museu

Auditório do Museu

Auditório do Museu sedia recitais de poetas estrangeiros, hoje e amanhã

Nesta sexta, 5 e no sábado, 6, a I BIP faz mais uma rodada de leituras de poemas com os poetas estrangeiros e nacionais convidados do evento, no auditório do Museu Nacional, sempre com entrada franca e, o mais importante, com os versos traduzidos e projetados em telão. Hoje serão duas sessões – a primeira, com início às 19h e a segunda, às 21h, após intervalo para um coquetel de confraternização entre poetas e público. Manuel Pantigoso, um dos maiores poetas peruanos, é um dos destaques da segunda sessão, que terá também a participação de Jorge Tufic, considerado um dos mais importantes nomes da poesia brasileira atual.

Amanhã as sessões de récitas serão no mesmo horário das de hoje, e mais uma, com início às 17 horas. Um dos destaques é a poetisa Alice Ruiz, viúva de Paulo Leminski e especialista em haicais (poesia em três versos, de origem oriental), e também outro peruano, o poeta Antonio Cisneros.

Todas as sessões são conduzidas por poetas brasilienses de renome. Nas de hoje, os anfitriões são Santiago Naud e Lina Tâmega Peixoto; nas de amanhã, são mestres de cerimônia Vera Americano, Joanyr Oliveira e João Carlos Taveira (programa e nomes abaixo).

Ontem, na sessão inaugural, o anfitrião foi o poeta Chico Alvim, que se confessou emocionado com a quantidade de poetas de vários países latino-americanos e alguns europeus reunidos nesse encontro em Brasília. A segunda sessão foi conduzida pelo poeta, romancista, contista e ensaísta Ronaldo Costa Fernandes. O público ouviu no total nove poetas da América do Sul, um de Portugal, um do México e dois da Espanha, e apenas uma brasileira, a paraibana Zélia Bora. O espanhol Eduardo Garcia foi um dos mais aplaudidos, assim como o representante mexicano, Fábio Morábito, que arrancou aplausos do público em especial para o seu poema Oreja (Orelha).

Sessões Magnas de Sexta, 5, e Sábado, 6

5, sexta-feira
19h a 20h30
Anfitriã Lina Tâmega Peixoto

Astrid Cabral (Brasil)
Eduardo Mora-Anda (Equador)
Wilfredo Machado (Venezuela)
Matías Lockhart (Argentina)
Betty Chiz (Uruguai)

5, sexta-feira
21h a 22h30
Anfitrião Santiago Naud

Manuel Pantigoso (Peru)
Verónica Volkow (México)

Jorge Tufic (Brasil)
Enrique Hernández (Venezuela)
Hector Collado (Panamá)

6, sábado
17h a 18h30
Anfitriã Vera Americano

Testa Garibaldo (Panamá)
Roberto Bianchi (Uruguai)
Aricy Curvello (Brasil)
Antonio Cisneros (Peru)
Alice Ruiz (Brasil)
Juan Carlos Reche (Espanha)

6, sábado
19h a 20h30
Anfitrião Joanyr Oliveira

Vadinho Velhinho (Cabo Verde)

Carlos Ortega (México)

Henryk Siewierski (Polônia)
Juan Carlos Pajares (Espanha)

Miguel Angel Zapata (EUA)

Kátia Chiari (Panamá)

6, sábado
21h a 22h30
Anfitrião João Carlos Taveira

Sofia Vivo (Uruguai)
Diego Mendes Sousa (Brasil)
Elena Medel (Espanha)
Márcia Theophilo (Brasil)
Miguel Márquez (Venezuela)
María Romeu (México)
Arthur Arriscado (Angola)

Waldir Araújo (Guiné-Bissau)

Poetas Martinica

Foto: Poetas Martinica

Alguns dos profissionais brasilienses que vivem entre a linguagem veloz da imprensa e a arte de lapidar a palavra com a precisão de um ourives se apresentam ao público do Café Martinica (CLN 303, bloco A), neste sábado, a partir de 21h30, dentro da programação do Poemação, evento que integra a I Bienal Internacional de Poesia de Brasília (BIP). Num palco montado no jardim do Café, um grupo se apresentou na noite de quinta-feira, 4, mobilizando atenção e arrancando aplausos da clientela do espaço. Outros dois grupos farão récitas, amanhã, sábado, 6, e também nesta sexta, 5.

São eles: Alexandre Marino, Angélica Torres, Ariosto Teixeira, Carla Andrade, Guido Heleno, Julliany Mucury, Luiz Martins, Menezes y Moraes, Fernando Marques, Paulo José Cunha e Vicente Sá, além dos músicos Anand Rao, Aloísio Brandão, Ivan Sérgio e de vários convidados da Bienal, vindos de outras cidades do Brasil, como os poetas Ronaldo Werneck (MG) e Rubens Jardim (SP) e o músico Octávio Scapin (GO).

Nesta sexta, 5, é a vez do coletivo OiPoema, formado pelo jornalista e poeta Luís Turiba junto com Amneres Santiago, Bic Prado, Cristiane Sobral, Nicolas Behr e Paulo Djorge, dar seu recado poético no Martinica. O Poemação dos jornalistas escritores chamou atenção até mesmo de uma aluna da Universidade de Brasília, Marcela Heitor, que vai produzir um livro sobre o drama de conciliar a profissão de jornalismo com a poesia, e que diz ter gostado muito do recital no Martinica.

Ainda nesta noite de sexta, o grande frisson é para o Poemação BIPimenta no Café Savana (CLN 116), onde estão sendo aguardados os poetas Sylvio Back, Rui Mascarenhas e Ronaldo Werneck para recitarem poesias hetero e homoerótica.

Ontem, 4, o Poemação do T-Bone levou grande público para assistir a chilena Susy Morales e os brasileiros Diego Mendes (PI), Regina Pouchain (RJ), Alice Ruiz (SP), José Geraldo Neres (SP). A platéia invadiu as duas pistas com cadeiras, praticamente interrompendo o trânsito da entrequadra 116. Alice Ruiz e Regina Pouchain acharam “muito interessante falar poesia à porta de um açougue cultural”.

Também o Poemação do Café Rayuela (412 Sul) da noite de quinta foi um sucesso de público. Poetas convidados, como Ronaldo Werneck (MG), Astrid Cabral (RJ) e Lina Tamega Peixoto (DF) elogiaram o local e a receptividade dos proprietários e do público presente. Mais sucesso ainda fez o Poemação da Barca Brasília, que também ontem levou para navegar no Paranoá e recitar poemas, entre outros, Betty Chiz (Uruguai), Mathias Lockhart (Argentina) e Rubênio Marcelo (MT).

Programação do Poemação , SÁBADO, 6/9

CAFÉ MARTINICA

Com poetas jornalistas convidados

6/09/2008 – 21h30

Bistrô BOM DEMAIS – CCBB

6 e 7/09 – de 15h a 20h

CAFÉ BALAIO 202 Norte

6/9 – a partir de 20h

RAYUELA BISTRÔ 413 Sul

6/09 – 21h30

BARCA BRASÍLIA Lago Paranoá

Com poetas estrangeiros e músicos convidados

Partida e chegadaCais do Bay Park

6/09 – de 16h30 às 19h

Poetas estrangeiros e nacionais

Local: Auditório do Museu Nacional – Conjunto Cultural da República

Dias e Horário: de Quarta-Feira 03 set. a Sexta-Feira 05 set.:

Sessões a partir das 19 horas até às 22.30 hs.

Sábado dia 06 set: a partir das 17 horas até 22.30 hs – 3 sessões consecutivas: )

Sexta-feira 05 set. no intervalo da Sessão Magna:

Lançamento do livro

ANTOLOGIA POÉTICA

de MANUEL PANTIGOSO ,

da Editora Thesaurus

Distribuição Gratuita dos livros:

Poemário da I BIP

Tributo ao Poeta

Antologia dos Poetas de Brasília

ENTRADA LIVRE

www.bienaldepoesia.unb.br

Claufe Rodrigues e Mônica Montone

Claufe Rodrigues e Mônica Montone

No dia 5 de setembro, a partir das 22 horas, no palco da Praça do Conjunto Cultural da República estará se apresentando o casal de poetas cariocas Claufe Rodrigues e Mônica Montone, com o espetáculo Na Boca do Sol, que mescla poesia e música com humor e lirismo.  O evento faz parte da programação da I Bienal Internacional de Poesia de Brasília (I BIP).

O poeta, jornalista e compositor Claufe Rodrigues tem cerca de 10 livros publicados, entre eles Escreva sua história (Ed. Five Star), Amor e seus múltiplos e Roman-se (Ed. Record) e 100 anos de poesia – um panorama da poesia brasileira no século XX (O Verso Edições – já esgotado).

Na TV, Claufe dirigiu e apresentou o programa de poesia Palavrão, no Canal Brasil. Como editor de literatura da Globo News, desenvolve projetos especiais, como a série exibida este ano Fernando Pessoa, o poeta fingidor.

Mônica Montone é autora do livro Mulher de Minutos e participou das antologias poéticas Ponte de Versos, República dos Poetas e Seleta de Natal, poemas, Poesia Sempre, Poesia do Brasil, dentre outras.

Sylvio Back, Ronaldo Werneck e Rui Mascarenhas (foto ao lado) fazem o trio apimentado do programa de recitais da BIP. Na sexta-feira, 5, a partir de 22h30, o Café Savana (116 Norte) recebe os três poetas convidados da Bienal para leituras de poesias hetero e homoeróticas.

No Poemação BIPimenta no Savana, que está despertando enorme atenção, os autores vão também lançar seus livros: Sylvio Back, com As mulheres gozam pelo ouvido (Demônio Negro, SP, 2008); Mascarenhas com Meiohomem; e Werneck com Revisita Selvaggia e Noite Americana – Dorys: Day By Night – desses dois livros de Ronaldo Werneck surgiram DVDs poéticos que serão projetados como mais uma atração do Poemação no Café Savana.

Os três poetas estarão atuando ainda noutros programas da BIP pela cidade. Os DVDs de Werneck serão projetados no Cineclube do Café Balaio, quinta, dia 4, às 20h. Sylvio Back estará na Feira do Livro, quinta, 4, às 19h, para uma leitura de seus principais poemas eróticos, antecedida de uma introdução à história da poesia erótico-fescenina desde o Egito, Grécia e Roma Antiga, até os dias atuais, inclusive, no Brasil. E Rui Mascarenhas foi convidado para uma récita na Biblioteca Pública do Núcleo Bandeirante.

Sylvio Back, com As mulheres gozam pelo ouvido, discorre sobre partes erógenas, os precipícios do corpo e as estripulias do ato sexual sem rebuços ou meios-tons. “A poesia empurece qualquer palavra. Não há palavra impura para o poeta”, enfatiza. Essa é a quarta incursão do cineasta-poeta catarinense no gênero.

Ronaldo Werneck nasceu em Cataguases (MG) e é também jornalista.Morou mais de 30 anos no Rio, onde atuou em vários jornais, e desde 1998 voltou a residir em Cataguases. Publicou Pomba Poema e Cataguases é Cachoeira, em homenagem aos 100 Anos de Humberto Mauro, entre outros.

Rui Mascarenhas nasceu em Salvador (BA) e viveu a adolescência em Brasília, na década de 70. Vem se destacando com sua obra de intertextualidade diversa e autêntica e participando de recitais pelo Brasil. Está produzindo Todos um pouco loucos! para lançar no final do ano. Na foto ao alto, ele, simpaticamente, manda aquele abraço baiano à equipe da BIP e parceiros.

O poeta paulistano Rubens Jardim, 62 anos, que fez parte da Catequese Poética nos anos 60, lançará no final desta tarde, na Mini-Feira do Livro de Poesia da I BIP, na Biblioteca Nacional de Brasília, um livro homenagem ao centenário de Guimarães Rosa. Trata-se de Carta ao Homem do Sertão, uma espécie de poema-montagem feito em cima de textos do Grande Sertão Veredas. O livro, de 44 páginas, em papel reciclado, e em formato bastante original, possui um grande número de ilustrações – e no final, uma série de notas explicativas.

Na orelha deste livro é possível situar o poeta Rubens Jardim como integrante do núcleo central da Catequese Poética, movimento iniciado por Lindolf Bell (1964), com o objetivo de arrancar o poeta da torre de marfim e lançá-lo na luta para a conquista de todos os espaços possíveis – para o poema e para o poeta.

Rubens Jardim publicou alguns livros de poemas, como Ultimatum e Espelho Riscado, e vem participando de diversas antologias. Caso de Paixão Por São Paulo (SP), Antologia Poética da Geração 60 (SP), Poesia Del Brasile D’Oggi (68 Palermo), Letras de Babel (Montevideo) e Rayo de Esperanza (Madri). Visite o site do autor www.rubensjardim.com .